BREVIAÇÕES (FINAIS)


ELE: ...
EU: ...
ELE: Você não vai falar nada?
EU: Eu vim para escutar. já falei demais. Aliás eu acho que se não fosse isso, talvez esses dois meses poderiam ter sido diferentes.
ELE: Mas vai ser assim? A gente e esse silêncio ocupando mais espaço que nós dois juntos?
EU: Silêncio não tem sido problema pra você há algum tempo. Achei que estivesse acostumado.
ELE: Afinal, o que você quer?
EU: Não tenho mais o que querer. Tudo que esperava passou por mim, por nós, e agora é apenas uma mancha que parece não querer sair do meu passado.
ELE: Veio para ficar falando disso?
EU: Não se preocupe, não vai demorar muito até isso tudo ter acabado.
ELE: Olha, sinto muito mesmo, mas eu achei que seria diferente dessa vez. Na verdade nem sei o que deveria falar com você agora.
EU: Eu não espero que fale mesmo... só vim aqui porque precisava te ver pela última vez e me despedir completamente, sem nuances, sem expectativas.
ELE: Veio até aqui para isso?
EU: É um processo. Preciso finalizar as coisas que comecei por aqui. Terminar os passos, fechar as portas, cruzar as ruas e então poder dizer adeus.
ELE: E quando é que eu digo?
EU: Pode ser agora. Não poderei dizer que tenha sido um prazer esse tempo que passamos juntnos, pois o que passamos mesmo foram apenas alguns minutos. E minutos se conseguem facilmente por aí. Mas já me sinto melhor... estou tirando de mim a responsabilidade de gostar de nós.
ELE: Não precisa ser assim tão duro.
EU: Certas atitudes contribuíram para isso... eu já vou.
ELE: Quer uma carona?
EU: Não... restam ainda alguns passos... pretendo usá-los agora.
ELE: ...
EU: ...

************************
E assim concluo a saga, pelo menos incial, desses que por um tempo interessante estiveram presentes em mim.

1 Response to BREVIAÇÕES (FINAIS)

  1. Lalinha says:

    Ai, sabe que eu adoro esses diálogos "fecha-conta"? Eu não sei se esse é auto-biográfico, nem vem ao caso, mas enfim, eu sempre simulo alguns assim e sempre atribuo a mim esse tom irredutível que você colocou sobre você, dá um ar triunfal, não é? hahahaha.
    E adoro essa coisa de parecer falas de um roteiro de novela ou filme, ai é demais!

    Continue com as novelinhas, você faz isso como ninguém.

    Outro!