Breviações Biográficas






CAPÍTULO UM - DE COMO ME TORNEI ARTISTA.

É, porque alguma explicação tem que existir para que isso tenha acontecido! Simplesmente olhar para uma pessoa e apontar dizendo que será artista não é assim tão fácil. Comigo foi mais ou menos assim...

Minha mãe é professora de música e também cantava numa banda antes de eu nascer. Diz a lenda que enquanto estava grávida, ela fez alguns shows, acho que foi quando minha contaminação começou! Depois de nascido e com alguns anos de vida, já freqüentava as audições no Conservatório Musical Pestalozzi e também ganhava diversos brinquedos que apelavam para o lado musical - pianinho e uma mini bateria.

No meu aniversário de 3 anos fui submetido a minha primeira exposição. Lá pelas tantas na festa, não sei de onde surge um microfone e de repente eu me vi lá sentado, com todos os convidados me olhando, esperando que eu cantasse uma música - Bom Natal (poucas pessoas talvez conheçam, depois coloco o link para a letra). Não tive escapatória e cantei... Confesso que fiquei bastante envergonhado, eu ainda era uma pobre criança indefesa. Mas isso logo passou, porque no fim da festa o pessoal da filmagem foi mostrar os presentes que eu tinha ganhado e acabou que virou uma entrevista e eu falava sem parar!

A próxima experiência marcante foi aos 6 anos. Dessa vez mais intensa. Era a apresentação de final de ano da turma de alunos da minha mãe ela resolveu me dar um solo - cantar (de novo) Corcovado enquanto ela tocava violão. Imaginem eu, mirradinho, a vozinha de criança, cantando Corcovado para um teatro lotado! Fiquei muito nervoso sim, mas dessa vez até que não foi tão ruim... Inclusive por causa dos elogios conseqüentes. A única coisa chata era que em qualquer lugar que eu ia, alguém pedia para que eu cantasse... enfim, chega uma hora que cansa! Aí seguiram outras apresentações - ora tocando violão, ora tocando flauta; ora cantando, ora atuando...

Quando chego aos meus 12 anos, invento de fazer um curso de interpretação aqui em Franca, louco... eu e outro amigo. Durou alguns meses e depois recebi o convite para fazer um teste para uma novela, não me lembro de qual emissora. Recebi a notícia à noite e no outro dia de madrugada já estava indo a São Paulo com meu pai e meu tio, até o tal local do teste. Não deu certo, mas foi interessante. Continuei nessa de me chamar de ator por causa das pecinhas da escola até o terceiro colegial.

Nessa época voltei minhas atenções para as letras escritas... coisa de adolescente em fase de descoberta, crise existencial e toda essa carga emocional... 16 para 17 anos. Escrevia... escrevia... na mesa do meu quarto, cadernos, folhas avulsas, paredes, qualquer lugar que pudesse ser rabiscado, eu rabiscava. Foi muito bom, porque tenho diversas poesias, divagações e textículos.

Aí ano passado, não me dando por satisfeito, entro no tal Dantrato - grupo de dança contemporânea. Fizemos algumas apresentações e sim, foram uma delícia! Esse ano estreiamos o espetáculo em maio, se tudo correr bem, porque nossos horários são uma loucura!

No entanto já estou querendo uma pausa disso... porque eu não sossego né! Mas gosto de causar esse frenesi! hehehehe...
Porém ainda aguardo essa tal descoberta para cair de vez no mundo do "showbiz"!

2 Response to Breviações Biográficas

  1. Lalinha says:

    Sim, ela também visita. Porém nem sempre comenta. Observar somente também é um modo de admirar... Mas por que não registrar?

    Passei por aqui sim. E gostei muito de tudo que vi!

    Beijo.

  2. spinelli come rosas says:

    você me pareceu meio nostálgico...natural...tá em crise, tá em crise, lero lero. lero lero.